Como o rodízio de água pode afetar sua vida?

Durante os sete dias da semana, apenas dois podem ter abastecimento de água. Este é o cenário de rodízio proposto pelo governo estadual caso a crise hídrica que assombra nosso País piore.

A verdade é que somos um País rico em água, ou éramos, e não estamos acostumados a economizar esse líquido tão precioso. Alguns estados estão mais habituados com o cenário sem água, apesar de não passarem por crises no momento, mas poucos paulistas sabem como o rodízio de água pode afetar sua vida.

São muitas as mudanças que acontecem durante longos períodos sem água, desde a redução de consumo em casa até a escassez de determinados produtos nas prateleiras do mercado. Por isso, separamos alguns exemplos de como sua rotina pode mudar durante o rodízio de água:

  • O agronegócio e a pecuária são os maiores consumidores do mundo. Em meio ao rodízio de água, o consumo consciente de alimentos se fará necessário e a redução no cardápio é uma das principais coisas que podem mudar dentro de casa. Para ter ideia, 1kg de soja precisa de mil litros de água e 1kg de carne precisa de 15 mil litros para sem produzidos.
  • As atividades nos comércios também serão afetadas com o rodízio de água. Muitos deles não poderão sobreviver sem este precioso líquido. Restaurantes, por exemplo, precisarão diminuir seu horário de funcionamento. Será muito mais difícil aproveitar o comércio das cidades.
  • O brasileiro é um dos poucos povos que está acostumado a tomar banho diariamente, mas isso pode mudar com um rodízio de água. A proposta do governo é de cinco dias sem água para dois dias com água. Será preciso aprender as técnicas dos franceses.
  • A água de reuso também passará a ter uma importância maior para seu dia a dia. Estocar baldes de água da última lavagem da máquina para usar na privada, por exemplo, pode ser normal. Na verdade, o reuso não é essencial apenas em tempos de rodízio, mas para evitar as crises hídricas.
  • Assim como a água que já foi utilizada anteriormente, a água da chuva também faz parte da rotina de quem vive sob um rodízio de água. Captar a chuva para atividades secundárias é uma das grandes mudanças.
  • Muitas empresas já declararam que, em meio ao rodízio de água, precisarão dar férias coletivas aos funcionários, mas isso não é motivo para comemorar. A produção pode cair muito e os riscos dessas empresas mudarem ou demitirem muitos funcionários são altos.
  • O rodízio de água também pode pesar no bolso das famílias. Com a falta de água, o preço de muitos produtos que dependem da água para serem produzidos deverá subir muito. Sem contar que muitos dependerão de garrafas de água mineral para o consumo.
  • Quem não tem condições de se manter com água mineral para o consumo precisará estocar muita água durante os dois dias de abastecimento. Somente assim é possível ter água para beber e cozinhar em meio ao rodízio.

O cenário de uma cidade sem água não é tema novo no Brasil, nem no mundo. O Nordeste, por exemplo, teve longos anos de períodos de seca, mas é a primeira vez que uma crise dessas proporções assombra as regiões Sul e Sudeste, onde o consumo para uso pessoal e industrial é maior.

Por isso, é importante já adotar novos hábitos em sua rotina para ajudar na economia e não ter um grande choque de realidade caso o rodízio seja implantado.

Comments for this post are closed.